Postado por Adriana Gomes em 13 de março de 2014 | Mudança de Carreira

A pergunta que não quer calar: dá pra mudar de carreira depois dos 30 anos?

Muitas pessoas após os 30 anos acreditam estar velhas para se recolocar no mercado de trabalho. Veja por que isso não é verdade

 

Para muitas pessoas, a chegada dos 30 anos anuncia a hora de pensar seriamente sobre a carreia e refletir se estamos no lugar certo.

Muitas vezes é preciso tempo e experiência para descobrir o que você gosta e onde as suas habilidades se encaixam.

Com o amadurecimento que se inicia aos 30 anos, conseguimos compreender melhor se estamos satisfeitos em nossa posição atual, ou se precisamos de mudanças.

Se você acredita que após os 30 estará fadado a ter a mesma carreira, aqui estão algumas das razões para a mudança de carreira após os 30 anos e, principalmente algumas dicas de como conduzir essa mudança.

Autoconfiança

Razões para mudar de carreira

A demissão

Não há dúvida de que ser demitido pode ser uma situação estressante e decepcionante. Primeiramente, nos sentimos incapazes e podemos ficar profundamente magoados com isso se não superarmos logo. Porém, para algumas pessoas a demissão pode servir como um empurrão para o recomeço. Já que será preciso começar de novo, nada melhor do que repensar se você quer continuar fazendo o que estava habituado.

A satisfação no trabalho

Estar entediado, frustrado ou geralmente insatisfeito com o seu papel atual é uma razão perfeitamente legítima para colocar qualquer profissional a pensar sobre a mudança de carreira, independentemente da idade. Se você tem a sensação de que seria muito mais feliz em uma carreira diferente, ou está à procura de um novo desafio, isso pode servir de sinal de que é hora de você considerar carreiras alternativas.

O aumento de renda

O salário é um dos maiores medos associados à mudança de carreira após os 30 anos. No entanto, dependendo da sua carreira, partir para outras oportunidades pode realmente significar um incremento de salário.

Muitas vezes passar por uma reciclagem faz com que você consiga um emprego mais rápido em outra área, com reais possibilidades de crescimento, o que significa um potencial aumento salarial. Mas, isso não significa que você deve começar por baixo. Seja qual for a sua situação atual, você certamente terá competências inestimáveis que poderão ser aproveitadas em sua posição futura.


Por onde começar

Um bom método de começar a pensar em uma mudança de carreira é listar o que você gosta e o que você não gosta em sua carreira atual. Isso vai ajudar a esclarecer os pontos porque você deveria considerar uma mudança, e onde você quer chegar com essa decisão. Para evitar oscilações e, acabar em uma carreira que pode não ser boa para você, é importante dedicar tempo e esforço para a pesquisa e, não hesitar em pedir ajuda.

Qualquer que seja a carreira que você escolher seguir, existem vários pontos que podem ajudar durante o recomeço.

52 respostas para “A pergunta que não quer calar: dá pra mudar de carreira depois dos 30 anos?”

  1. Leticia janini disse:

    Sou formada em moda a 3 anos e estou desempregados a 8 meses, mando currículos e nada de respostas , penso em mudar de área , ainda é cedo para pensar nisso ?

  2. Ana disse:

    Olá. Sempre quis a profissão que estou. Mas o baixo salário é uma provável demissão que virá está me deixando muito mal. Sou professora de uma universidade particular. Hoje fico decepcionada com as minhas escolhas, penso até em suicídio. O problema é que não tenho tempo para recomeçar, sou eu quem sustento a casa, ficar desempregada será muito complicado e onde estou não tem outras opções e embora esteja triste não posso nem chorar, pois todos dependem de mim. A vida perdeu o sentido.

    • STHEFANI JORGE DA SILVA disse:

      Entendo você, estou lendo este artigo e penso em desistir de tudo. Também sou professora.

    • Professor disse:

      Eu também sou professor. Comece a estudar para passar em um concurso público… Pode demorar um pouco, mas um dia vc passa.
      Até ajuda a parar de pensar em suicídio… Pelo menos nas horas vagas…

      • Grazi disse:

        Também sou professora, e depois que passei no concurso do meu estado (SC), minha profissão virou meu desgosto. O nosso governo, aqui de Santa Catarina, todos os anos arruma uma maneira de nos prejudicar e tenta tirar nossos direitos na cara lavada. No momento estamos envoltos em um grande caus, professores apavorados, chorando nas escolas, muitos em depressão ou transtornos de ansiedade, muitos tentando pensar em outra profissão,antes que seja tarde… Estou nesse grupo, e estou a procura de algo que me de segurança, porque já cansei de tanto desrespeito…

    • Dih disse:

      Oi Ana,
      Li o seu comentário e Fiquei preocupado.
      Aparentemente seus problemas estão atrapalhando a forma como vc vê a vida.
      Quando pensamos isso que vc esta pensando, vem a mente se eu acabar com a minha vida tudo melhora, Isso é mentira , quem deixamos para traz fica pior e com um exemplo de como fazer para resolver os problemas.
      Por esse motivo não pense nisso, lute sempre. E se vc acha que é muito difícil sozinha procure ajuda.
      O sentido da vida é Vencer, e não ha uma Grande vitoria sem
      Uma boa Luta.

  3. Kaio Reis disse:

    Minha situação é um pouco diferente, gosto demais da minha profissão sou oque sempre quis ser, contudo agora aos 30 anos de idade descubri que sou alérgico a tudo que envolve minha profissão (sempre me perguntei de onde vinha tanta coceira, RS) agora tenho que me recolocar no mercado de trabalho e não sei por onde começar. Fica sempre a grande dúvida “será que ainda dá tempo”?
    P.s. sou supervisor de manutenção mecânica e tenho alergia a óleo e todos seus derivados, borrachas, materiais sintéticos, tinta e couro.

  4. Amanda Oliveira disse:

    Sou contadora e não suporto o que faço ,sempre quis fazer marketing mas na época minha família não me deu força e eu fui na onda deles ,agora estou pensando em fazer uma mba em marketing pela Espm mas fico com medo de pagar um bom dinheiro e não conseguir emprego .Me interesso na área principalmente e-commerce e faço alguns cursos na área, será que tenho alguma possibilidade de entrar no mercado ou eu terei que voltar tudo de novo ?

  5. Natalia disse:

    Tenho 30 anos, sou zootecnista e possuo mestrado e doutorado. Não consigui um emprego e estou há um ano desempregada. Estou tão desesperada por ter o currículo bom e não conseguir uma inserção no mercado. Penso em começar outra carreira por conta disso.

    • Mila disse:

      Oi! Vc tem mestrado e doutorado! Tem tudo o que precisa para ensinar em universidades. Sempre tem concursos p professor… pode ser um bom caminho!

    • Carlos disse:

      Tenho 29 anos, sou engenheiro florestal, formei a um ano e meio e estava no mestrado, decidi sair do mestrado. O meu problema foi justo por ter permanecido em uma graduação da qual com o tempo percebi que não era o que queria perdi totalmente a afinidade que já era pouca, sempre sonhei com arquitetura, mas por morar no interior e o curso arquitetura no meu estado só haver na capital, não tinha condições financeiras de me bancar na capital. Cursei eng. florestal na minha cidade por ser mais acessível financeiramente e achei que não poderia ficar escolhendo muito e que bastava me esforçar. Resumindo podria durante esses anos ter feito uma excelente graduação com maiores conquistas se fosse outra. O mercado de trabalho para o eng. florestal só é amplo na teoria, na pratica independente da crise econômica é bem restrito, por isso a solução tem sido recorrer para pós graduação, esta profissão não é facil de achar trabalho em qualquer cidade ou região como outras eng ou áreas. Estou decidido a fazer concurso de nivel médio para trabalhar e conciliar com uma nova graduação “arquitetura”. Se errei com a graduação que escolhi é hora de parar de continuar errando e vivendo com remorso pelas escolhas erradas, a idade pesa sim para recomeçar do zero. mas demorei e vi que não adianta sofrer mais, seguir com um mestrado era dar continuidade ao erro poderia vir fazer um doutorado mas a insatisfação sei que não iria mudar sempre me sentiria forçado. Muitos colegas vão me criticar, os que estão se encaminhando “por conta da pós” pra depois lecionar e satisfeitos com a profissão, mas eu entrei no curso apenas para arriscar e de tanto pensar em sair e não decidi acabei formando. Nunca se deve continuar uma graduação quando se percebe que não é o que se sonhou. É preciso haver gosto e sonho e aptidão para as coisas darem certo. Agora dane se , dando certo ou não, vou em busca do que quero.

  6. Jaqueline Ribeiro disse:

    Tenho 31 anos, me sinto velha pra entrar qualquer tipo de trabalho, não sei o que eu gosto as vezes vejo um anúncio de emprego e pha só até 30 anos aí eu entro em desespero e agora, minha alta estima super baixa não sei o que fazer já fiz até teste vocacional e nada.

  7. Daniela Dantas disse:

    Oi, tenho 32, sou formada em administração de empresas, fico dentro de um escritório fechado, falando o dia todo com clientes por telefone e e-mail. Cresci dentro de um comercio aberto e ficar dentro de um escritório fechando está me deixando louca, apesar de está no setor comercial da empresa. Quero mudar de profissão, já até estou pesquisando e estudando o mercado, não quero mudar de uma hora para outra, pois eu dependo do meu trabalho atual para poder me profissionaliza no que quero fazer futuramente. irei migrar aos poucos, quero montar um atelier de custura, fazer vestidos de crianças e entrar nesse mercado, eu sempre respirei comercio, sei vender e abrir novos clientes, hoje estou cursando a pós – graduação em negócios, acho importante se capacitar primeiro fazer muita pesquisa para depois mudar, pois estamos vivendo tempos de muita dificuldade.

  8. Andréia disse:

    Super me identifiquei com os cometários, acho que todo mundo está sem motivação, onde estamos errando? Não podemos por a culpa em nada, pois tudo depende do nosso esforço, eu tenho 31 anos um filho de 11 anos, trabalho a 14 anos em uma empresa pequena do meu tio, mas não ganho bem e não consigo aplicar o que estudei aqui, RH e Gestão de Pessoas, empresa pequena sabe como é então não tenho experiencia para migrar pra outra empresa maior, fico aqui nessa zona de conforto, até quando? Um dia isso aqui acaba e ai? Isso que me questiono, me sinto em uma vida medíocre, não tenho um hobby, não tenho um proposito de vida, uma luz, fico nessa vida sem saber se estou certa ou errada pois não quero me influenciar pelo padrão de vida que a mídia nos mostra, quero ser útil apenas, ter qualidade de vida e com dinheiro pra viver sem privações básicas. E o tempo vai passando e não saio do lugar, tenho lido muito sobre esses dilemas da vida e tenho refletido muito, mas continuo aqui…rs

    • Renato disse:

      Eu me identifiquei demais com tua resposta, tanto é que estou na internet procurando alternativas. Eu faço 27 anos este ano, felizmente não tenho filhos e estou morrendo por dentro aqui no escritório de advocacia do meu pai (sou advogado). Não sei se devo largar tudo e ir para outra faculdade ou ficar. Mas não posso mais empurrar com a barriga. Um dia meus pais se vão e eu ficarei aqui, sem experiência para recomeçar e sem vontade de continuar nesta área.

    • ADRIANA MAZARIN DE CARVALHO disse:

      Super me identifiquei com o seu cometário Andreia! Sou formada em educação física desde 2007, porém pela zona de conforto atuei muito pouco. Medo, dividas me impediram de largar tudo e encarar a carreira. Hoje trabalho dentro de um despachante, esta questão de ficar o dia todo dentro de um escritório me mata! Então vem a questão: Dar continuidade a minha formação, me especializando em algo do meu interesse, ou encarar outra graduação (sou muito ligada a questão social, sinto vontade de cursar serviço social)? não me sinto feliz e realizada, não quero passar a vida toda assim…

  9. Décio disse:

    A vida é estranha. Tenho quase 29 anos e já estou 10 anos trabalhando como professor na rede estadual. Com pós e com um mestrado quase concluído, porém o tédio e o desânimo estão mexendo com meu desempenho em sala de aula. Vivo em uma cidade pequena, sem muita perspectiva de emprego. As vezes penso em me aventurar, por os pés em algum grande centro, levar uma boa reserva de dinheiro e tentar a sorte, porém minha experiência fora da educação é quase nula, trabalhei um tempo no setor varejista e na supervisão de um instituto estatal. É complicado, acho que estou na crise dos 30 antes de chegar nos 30 rsrsrs. Enfim, gostei muito das dicas.

    • Nina disse:

      To desse jeito mas sou administradora .

    • Everton disse:

      Estamos juntos nessa. Tenho 28 anos e também sou professor, mas de Educação Física em rede municipal. Estou pensando em me aventurar no direito mas o medo das contas vindas com a graduação tem impedido.

    • Priscila disse:

      Também estou prestes a completar 29 anos e é exatamente assim que me sinto, também penso estar na crise dos 30… a apatia e o pensamento de que não conquistei coisas na vida, as quais eu sinto muita falta, me deixam muito desanimada.

      • Paula disse:

        Estou igual a vocês, estudo para concurso, mas já não sei se é isso o que eu realmente quero da minha vida, sinto que quero mais sabe? .

    • Adriana disse:

      Oi Décio, sugiro a leitura do meu livro, tô Perdido! da editora Qualitymark. Acredito que possa ser útil.
      Um abraço
      Adriana Gomes
      http://www.vidaecarreira.com.br.
      Obrigada pelo seu comentário

      • Ana Paula disse:

        Sou formada em Administração e há 7 anos trabalho em um Banco, mas não me identifico com a minha formação. Tomei coragem esse ano e comecei a cursar Pedagogia, estou amando o curso, tem muito a ver com a minha personalidade.

        • Juliana disse:

          Oi Ana Paula. Tenho 32 anos e me formei em Ciências Contábeis, trabalhei na área por 10 anos. Tive meu filho parei de trabalhar para cuidar dele e agora quero mudar. Já me matriculei em Pedagogia, começo no próximo semestre. Fico meio insegura de começar outra faculdade e também pela idade. Li seu post e fiquei um pouco mais animada.

  10. Bruna disse:

    E eu ? tenho 31 e 7 meses ou seja, bem próximo aos 32 anos, desde sempre nunca soube o que eu realmente queria fazer, estou a 11 anos na mesma empresa e fiz uma faculdade tecnológica, mas que não me identifiquei fiz Gestão Comercial mas nem vender eu sei. Tudo errado.

    Hoje com penso em procurar ajuda de um psicologo, eu me encanto quando vejo alguém trabalhando com amor, com paixão. Será que nunca vou sentir isso ?

    🙁

    • MERCIA disse:

      Bruna, me encontro na mesma situação que vc, há 13 anos na mesma empresa, onde evolui em cargos mas não em renda. Moro numa cidade pequena, sem opções de trabalho e de estudo. Tem horas que tenho vontade de jogar tudo pro alto. Pra completar a crise vem e me assusta, o medo de ficar desempregada me bloqueia. Pra nós eu desejo sorte, espero que esse inconformismo nosso nos motive. Bjs

    • Rose Alves disse:

      Estmos quase no mesmo barco….

      • Anderson disse:

        Estou nessa situação, sou graduado e tentei fazer duas POS e nao me encontrei, estou num nivel onde cai no tedio, e nao sinto mais emocao ou prazer na minha carreira e ano que vem estou disposto a mudar sim.

        • Bia disse:

          Sou mais uma passando por isso. Só que aos 18 eu sabia exatamente o que queria, a vida toda eu quis… Me formar em moda e ser estilista. São 11 anos já formada e sem conseguir crescer na área. Anos como auxiliar e assistente, em um mercado de exploração de mão de obra me fizeram perder o amor e o sonho que tinha… Só que agora pedi demissão mas ainda não sei o que fazer. Quero fazer uma nova graduação, já que a minha não é bem aceita para nada, mas desanimo ao lembrar de todos os trabalhos e rotinas de estudo.

    • tati disse:

      eu tb..com quase 31 e n gosto de nada..ai q inferno!

    • Adriana disse:

      Oi Bruna, sugiro a leitura do meu livro, tô Perdido! da editora Qualitymark. Acredito que possa ser útil.
      Um abraço
      Adriana Gomes
      http://www.vidaecarreira.com.br.
      Obrigada pelo seu comentário

  11. Silvia disse:

    Bom dia sou tecnica de enfermagem trabalho na area a 3 anos e meio .adoro hospitais aprendi muito com bons profissionais .
    Mas essa area toma muito tempo de minha vida passo mais horas dentro de um hospital do que com minhas familia.sabados domingos e feriados e festas .sempre trabalhei .e agora prcebi que nao adianta trabalhar em dois e tres empregos .quanto mais eu ganho mais gasto e menos vivo com minhas filhas .
    Quero muda de area mais so muito indecisa .e tenho medo

    • Ariadne Soares Santana disse:

      Oi!! Eu sou técnica em farmácia, e tinha essa mesma sensação, faço atualmente faculdade de Administração. Pedi demissão do hospital onde trabalhava estou em busca de mudança de rumo. Trabalhar na área da saúde é muito bom mas muito desgastante. Eu re pensei minha vida, repense a sua também.

  12. Lima disse:

    Adriana,

    Fiz uma busca no google sobre mudança de carreira aos 30 anos e encontrei seu Blog. Estou com 33 anos. Sou formado em engenharia com mestrado em materiais, e, com 10 anos de experiência profissional, sendo que os últimos 7 anos trabalhando em uma empresa estatal. No início da carreira tive uma experiência internacional, mas que abdiquei para viver uma “vida de qualidade” e com o “sonho da estabilidade”. Percebo que me enganei, errei, ainda mais, quando percebemos que a estrutrura do governo, em muitos casos, é mais instável profissionalmente que qualquer outra estrutura organizacional refletindo na sua qualidade de vida.
    Considerando sua experiência, quais seriam as dicas para que um profissional aos 33 e vindo de um setor estatal retorne ao mercado privado. Qual (is) são/seriam os bons caminhos?? Obrigado por se dedicar a este tema e servir de orientação à uma questão tão importante – “carreira”.

  13. Joao disse:

    Tenho 30 anos, estou fechando minha empresa por questoes financeiras, tenho formação em administração e alguns cursos, porem nao me sinto realizado, estou meio perdido profissionalmente, pois sempre trabalhei para mim, e hj me vejo jogado no mercado de trabalho muito concorrido, poderia me dar uma luz??

  14. Felipe Cabral disse:

    Tenho 30 anos e há 5 anos me formei oficial da Marinha Mercante. Porém não me sinto realizado, o que de certa forma compromete minha performance profissional. Em suma, fracassei. Estou há 2 anos desempregado, mas com uma expressiva reserva financeira que pode proporcionar minha qualificação no mercado ou até mesmo cursar uma nova faculdade. Estou motivado a terminar meu curso de inglês, que iniciei há 1 ano, com calma e tentar o vestibular do ano q vem, e assim conseguir uma bolsa na universidade e poupar o quanto puder minhas economias. Resolvi engolir o orgulho e voltar para a casa de meus pais, cujo apoio eu tenho, mas absolutamente cônscio de que ajudarei nas despesas domésticas, enfim atenuá-las. Afinal, posso garantir essa ajuda por que a minha reserva de emergência pode garantir isso. Não tenho esposa, filhos e acho que isso ainda conta como vantagem, apesar da idade. Gostaria muito de sua opinião. Muito obrigado! !!

  15. Tatiana disse:

    Tenho 30 anos, formei em direito no ano de 2007, fiz duas pós graduações, a primeira em relações internacionais por ter interesse na área, mas o mercado é muito restrito, e a segunda em direito financeiro e tributário. Falo inglês, espanhol e entendo básico de francês.
    Logo durante a primeira pós graduação entrei em uma grande empresa de consultoria e auditoria (Big Four). Nela trabalhava na área de tax (fiscal), que envolve direito tributário e contabilidade. Aos poucos a vida foi me levando para esse mundo tributário e contábil mesmo sem amar. Hoje estou em uma boa empresa de energia elétrica, com um salário bom, mas não o ideal, trabalhando na área fiscal e lidando muito com questões contábeis que ainda não tenho muito conhecimento e isso me deixa perdida e desestimulada. Não me vejo me especializando em contabilidade e isso prejudicaria muito meu crescimento profissional, e o que quero para o meu futuro é crescimento e realização profissional. Quero mudar meu rumo profissional, mas não me vejo advogando. No caso, acredito que fiz a faculdade errada, o que fazer?

    • Cássia disse:

      Nossa Tatiana, me vejo na mesma situação! Formada em direito, trabalhando em big four, querendo mudar de área, e não me vendo advogando! 🙁

    • Mel disse:

      Bom dia! Tatiana estou passando a mesma coisa… não gosto de tributário, mas “a vida” me levou. Gosto muito de trabalhista, mas não encontro boas posições em empresa. Não quero advogar de forma alguma. Você se encontrou?

    • Lorraine disse:

      Ei Tatiana, e eu que me formei em 2008, fiquei 1 ano na empresa familiar, sai, estudei para prova da OAB, passei, larguei a empresa que estava e fui estudei para concurso, fiquei nessa por 2 anos, tentei advogar um tempo, consegui poucas oportunidades, consegui um emprego comissionado no estado (salário muito baixo, mas fixo né), estou aqui há quase 3 anos, não me identifico com o direito de um modo geral, mas principalmente coma a advocacia, talvez se eu fosse uma consultora gostasse mais. Detalhe, também não me qualifiquei, do tipo, pós-graduação, ou mestrado, enfim, acho que não me achei, talvez seja por isso que nunca fiz nada né! não sei!Vi aqui que várias meninas estão na mesma situação, porque não tentamos conversar entre nós, talvez forma um grupo, e tentar coisas diferentes. O que acham —

    • Leandro disse:

      Bom dia, pessoal! Me identifiquei um pouco com o comentário da Tatiana, pois sou formado em Contábeis e a 5 anos trabalho na área, mais especificamente no setor fiscal de um escritório de contabilidade! Hoje tenho 30 anos, com relação ao meu trabalho, me sinto entediado e insatisfeito com o salário, na minha região os profissionais dessa área não são muito valorizados! Pois venho passando por esses conflitos por algum tempo, depois de pesquisa, conversar com alguns amigos, resolvi mudar radicalmente, iniciei um curso Tec. Em Eletrotécnica, visando o mercado que hoje está em contra mão a crise no país, o ramos das energias renováveis, que tem salários muito atrativos e funções muito operacionais e dinâmicas, justamente o que procuro, espero que dê tudo certo, pois as vezes ainda paro e penso se realmente estou fazendo a coisa certa, por isso ainda continuo pesquisando opiniões, espero concluir meu curso em 2018, e já penso na reinserção no mercado como recém formado, mas vamos em frente, espero ter ajudado alguém, e se alguém quiser opinar fique a vontade!

  16. Lisa Mehl disse:

    Olá! Sou formada em Biblioteconomia há 10 anos. Fiz o curso porque gostava muito de ler e acreditava que seria voltado mais para escritores, editores, em como desenvolver um livro. Já no curso pude observar que era muito técnico, com muitos detalhes, tais como: tratamento, recuperação e disseminação da informação, trabalhar com dados, documentos, livros, periódicos ou revistas. O campo de atuação pode ser em empresas, instituições educacionais, ONGs, se na área cultural, através da dinamização da leitura, contadores de história, organização de eventos e bibliotecas. Enfim, quase uma professora, tudo o que eu nunca quis em minha vida. Depois de formada e já atuando descobri que não era bem isso que eu queria para minha vida. Trabalho na profissão contra minha própria vontade e não sei o que fazer!

    • Priscilla disse:

      Olá Lisa,

      Vocês postou há dois anos este comentário, queria saber se encontrou o que estava procurando?
      Não sei de qual estado você é, mas eu sou do Paraná, e abriu algumas vagas para formados em biblioteconomia para trabalhar na UTFPR, o salario é razoalvelmente bom. Se eu fosse formada nessa área com certeza tentaria.

  17. preciso com urgencia de uma oportunidade de emprego. sou uma pessoa que trabalhava com o ex marido, em emprego como jogo e agora estou precisando de uma oportunidade de emprego,pois tenho 3 filhos e preciso arcar com minha casa. continuo fazendo bico no mesmo ramo , só que sou muito humilhada pelo meu ex marido, e desidi que eu tenho que me realizar como mãe e como mulher. estou com muita vontade de crescer , e não depender mais de ninguem. tenho 50 anos, sou uma boa dona de casa e minha preferencia é arrumação . organizo muito bemm uma casa, como tambem , armários , gavetas, etc. Tenho muita vontade de aprender mais e mais p ficar tudo perfeito. Gostária que voce me responde-se e pensa-se com muito carinho e se precisar conto com mais detalhe , tudo o que aconteceu com minha vida. Agradeço desde já . Um abraço . camila

    • Ricardo Farias disse:

      Parabéns Adriana por suas esclarecedoras diretrizes e aos amigos que estão lendo este brilhante artigo e que estiverem financeiramente ao seu alcance, procurem ajudar a Camila, pois o egoísmo não pode prevalecer no mundo; estamos nesta vida para ajudar-nos mutualmente. Camila, não lhe concedo uma oportunidade porque também estou desempregado – Ricardo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *