“Mudança de Carreira” no Panorama da TV Cultura

Dia 29/01/18 estive AO VIVO no programa Panorama da TV Cultura! Discutimos sobre Mudança de Carreira juntamente com a Professora Tânia Casado da FEA- USP.

 

O bom momento para trocar de carreira

“O momento certo não existe, eu acho que é uma insatisfação, uma inadequação que ela vai se sentindo em relação a relação de trabalho, atividades que ela desempenha. O momento eu penso que sempre é oportuno, hoje a gente pensa que a gente tá vivendo mais, então pensar em uma carreira só é até uma ilusão. Pensar que você vai ter uma graduação e vai viver com ela ou nesta carreira até os seus 80 anos…

Enfim, eu diria que o momento oportuno é o momento que a pessoa, internamente, percebe que não dá mais para continuar naquela relação de trabalho insatisfatória, até porque as pessoas passam muito mais tempo na relação de trabalho do que em qualquer outra relação na vida. Então, se a pessoa se sente muito insatisfeita, ela tem que fazer uma trajetória.

O que mobiliza uma pessoa fazer uma mudança de carreira é um sonho, alguma coisa que é muito forte. Toda pessoa que muda de carreira, tem um custo a pagar né, e o custo geralmente uma redução inicial no novo salário na nova atividade, mas isso não é para desmotivar!” diz Adriana Gomes, para o Programa Panorama “Troca de Carreiras” da TV Cultura.

 

Insatisfação no trabalho

“É uma soma de variáveis, objetivas e subjetivas, a remuneração é o fator mais objetivo dessa fórmula, quanto eu acredito que devo receber pelo trabalho que eu faço, parte mais tangível, mas nem sempre a remuneração é o fator de percepção de satisfação. O quanto me sinto enquanto organização, o quanto me sinto valorizado e percebido por aquilo que eu ofereço, o quanto me sinto integrado no ambiente de trabalho e os desafios também podem ser fatores de insatisfação. Deve-se entender essa insatisfação com mais cautela e carinho!” diz Adriana Gomes, para o Programa Panorama “Troca de Carreiras” da TV Cultura.

 

Como é o primeiro passo para fazer a troca de carreira

“As pessoas que me procuram no Consultório, dizem estar perdidas. É o que eu mais ouço, em vários tons, ela tá perdida porque ela tem uma referência, muitas vezes do que é ser bem sucedido, do que ela deveria ser e o que ela não conseguiu ser.

Então a primeira coisa é autoconhecimento, à medida que eu me conheço, eu tendo a fazer escolhas que sejam mais adequadas para mim e, não é certo ou errado. Muitas vezes as pessoas acabam escolhendo profissões, porque elas acham que serão muito bem remuneradas, quando na verdade o fator externo dinheiro acaba sendo o fator que pesa mais na tomada de decisão. Então quando uma pessoa quer mudar de carreira, o passo 1, vamos voltar lá… É autoconhecimento! Entender o que ela gosta de fazer, quais são os valores, no que ela acredita, o que que tem feito efetivamente na vida… Até que a gente passa por um segundo momento, que é olhar o mercado. Depois que eu me conheço bem, eu vou poder procurar coisas nesse mercado, atividades, profissões, que tem mais aderência com o meu jeito de ser, com os meus valores, com as minhas crenças.

Porque quando a pessoa entende aquilo que ela gosta de fazer, ela começa a abrir portas… Então, eu gosto dessa atividade, abre uma porta, dentro dessa porta que se abrem-se várias linhas e assim por diante. Essa pessoa que gosta do que ela faz ganha um universo de oportunidades.” diz Adriana Gomes, para o Programa Panorama “Troca de Carreiras” da TV Cultura.

 

Ponto de Quebra

“Eu estudo há muitos anos essa questão, o ponto de quebra, quando o que eu faço deixa de fazer sentido e aí não dá mais para continuar. Quer dizer qualquer coisa que eu venha fazer é melhor do que o que eu estou vivendo hoje, porque o grau de insatisfação, de adoecimento e frustração chegou num estopim. Isso pode também acontecer, porque as pessoas escolhem profissões pela fantasia daquela profissão, do que ela imagina que seja, e aí isso pode ser um outro causador de enormes frustrações.” diz Adriana Gomes, para o Programa Panorama “Troca de Carreiras” da TV Cultura.

 

Currículo

“Currículo sempre é trabalhoso, primeiro porque é necessário um processo de autopercepção e também de percepção do mercado para eu montar um currículo que seja atraente. Eu não tenho que escrever aquilo que eu gosto só de fazer, nem aquilo que eu sei fazer e nem tudo o que eu sei fazer. Não tem problema nenhum tirar coisas, que não forem necessárias, só não pode colocar coisas que você não sabe fazer. Mentir é colocar informações que não são reais, agora omitir algumas informações desde que você tenha um propósito, não é um problema. A gente tem muitas experiências acumuladas ao longo da vida, profissional e não profissional, porém temos que enxergar o que é que as empresas essas vagas estão solicitando:

  • Quais são os conhecimentos?
  • Quais são as habilidades?
  • Quais são as atitudes que o mercado busca, para quem vai ocupar essa posição?

Unir autoconhecimento e demanda do mercado, são úteis para seu futuro empregador.” diz Adriana Gomes, para o Programa Panorama “Troca de Carreiras” da TV Cultura.

 

Quais cuidados devem ser tomados para que você não se arrependa da Transição de Carreira?

“A gente tem que fazer escolhas que sejam mais adequadas para o nosso jeito de ser, seja em ambiente, seja em localização, seja em termos da própria atividade, então o olhar para si é importante para que você não se arrependa, afinal foi uma escolha sua! Um outro cuidado também que deve-se tomar é o de fazer uma boa pesquisa de mercado, saber como estruturar essa rede, antes da transição de carreira. Tentar entender exatamente o que faz essa outra profissão, as atividades possíveis e planejar a aplicação do seu conhecimento em sua nova atividade.” diz Adriana Gomes, para o Programa Panorama “Troca de Carreiras” da TV Cultura.

 

Veja o programa na íntegra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *