Postado por Adriana Gomes em 7 de julho de 2016 | Artigos

Desapego da própria história

Uma situação que venho encontrando com mais frequência, e acredito mesmo que seja em função do cenário que estamos enfrentando no mercado de trabalho, é a busca pela mudança da carreira.

O sentimento de estar perdido, justamente aquele que dá título ao meu livro, é acompanhado de dúvidas e incertezas mas também de esperança e desejos de fazer alguma atividade profissionalmente, remunerada que seja significativa.

A dica de hoje , na verdade é muito mais um ponto para reflexão, pois tenho recebido muitos profissionais com essa expectativa – Mudança de Carreira. Para que essa mudança ocorra é preciso consciência dos seus conhecimentos e  da sabedoria adquirida ao longo da vida.

O conhecimento  é o mais perceptível e aplicável , o prático. A sabedoria , é a consequência dos aprendizados que levaram ao conhecimento.

Os detalhes que fizeram a diferença, os erros que se converteram em aprendizado, nem sempre na aplicação técnica, mas dos relacionamentos, com as pessoas.

Recentemente recebi no consultório um engenheiro sênior, que não queria mais atuar na área, foi desligado da empresa e queria buscar algo mais significativo para a sua vida, que não fosse relacionado à engenharia.

Sugeri que pensasse na sabedoria que havia adquirido nesses anos todos de trabalho e que pudesse ser aplicada á outras áreas e atividades.

É um exercício difícil, pois as pessoas estão habituadas a pensar em seus cargos, e nas funções que desempenhavam, não são levadas a refletir sobre o que aprenderam no exercício das funções.

Os profissionais são e vão muito além das rotinas técnicas

Aprendem a negociar, a liderar equipes, solucionar problemas complexos com clientes e fornecedores, administram crises e pouco ou quase nada disso está no radar de percepção. O que é preciso, de fato fazer, é se desapegar do status da própria história.

Então quer dizer, me disse o engenheiro, que eu tenho que abandonar tudo o que eu fiz antes?

Na verdade a sua história continuará a mesma. O que  você fez, as grandes obras fazem e continuará fazendo parte da sua história, porém, para ir em frente, essa história precisa ser vista e ressignificada de outra maneira.

Faço uma analogia. É como a estrutura do diamante e do grafite, os átomos que os formam são os mesmos, a diferença reside na forma como esses átomos estão ligados uns aos outros. Os dois tem valor, só que as aplicações são diferentes.

Essa analogia ajuda a pensar no quanto é importante o processo de autoconhecimento e a capacidade de adaptação, competências mais do que desejadas para atravessar períodos complicados como o que estamos passando.

a) diamante.

b) grafite.

Diamante e grafite

Diamante e grafite

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *